domingo, maio 07, 2006

Pessoa Por 'Wordsong'


(...)" O Poeta superior diz o que efectivamente sente.
O poeta médio diz o que decide sentir.
O poeta inferior diz o que julga sentir"...

(...)"Nada disto tem a ver com a sinceridade"(...)
Se Camões tivesse tido a emoção sinceramente sua,
teria encontrado uma forma nova, palavras novas -
- tudo menos o soneto e o verso de dez sílabas.
Mas não: usou o soneto em decassílabos como usaria luto na vida.
O meu mestre Caeiro foi o único poeta inteiramente sincero do mundo.(...)"

Álvaro de Campos

A Editora Transformadores/101 Noites complementam a colecção - música para ler - desta vez com poemas de Fernando Pessoa. O primeiro protagonista deste projecto foi Al Berto. Wordsong é constituído por dois objectos que se complementam: um livro de poemas ilustrados e um cd com 15 canções inéditas. " é um diálogo entre a poesia e a música contemporânea".
Pessoa, "sem ícones usados e abusados" surge neste projecto onde as emoções emergem... e o mergulho profundo nestes ensaios é um caminho que se percorre, por entre árvores frondosas, sentindo a brisa bater de leve na face.
Há uma exploração dramática, "impressionista" envolvida na potencialidade desdobrativa do poeta, em ondas electrónicas e pop/rock.

Afinal não "somos" (todos) tão provincianos como Pessoa pensava :-)
Viva os projectos portugueses... e quem se preocupa com o nosso legado.

Podem encomendar os cd's através dos sites:

www.wordsong.net
www.101noites.com

2 Comentários:

Anonymous B man (sem Plano B) disse...

Onde é que Al Berto se coloca nas 3 categorias propostas por Campos? Seria interessantíssimo saber... Tu és sincera, flower power.

8 de maio de 2006 às 14:56  
Blogger apereira disse...

Al Berto foi um homem polivalente, tendo percorrido formas de arte, nomeadamente a escultura e a pintura. Por fim, entrega-se, em exclusivo, à literatura numa "maré" surrealista.
Creio, não conhecendo muito as suas obras e tendo lido milimétricamente, alguns poemas, que era um humanista, literalmente. Reinventava a realidade com a imaginação criteriosamente.
Considerá-lo-ei, com fraco conhecimento, na categoria de poeta médio.
(...)"As mãos pressentem a leveza rubra do lume
repetem gestos semelhantes a corolas de flores
voos de pássaro ferido no marulho da alba
ou ficam assim azuis
queimadas pela secular idade desta luz
encalhada como um barco nos confins do olhar(...)"
(Al Berto)

8 de maio de 2006 às 15:51  

Enviar um comentário

<< Página inicial